O dia do “FICO” do CAPITÃO

PALMEIRAS X CRUZEIRO

Em vez de Willian, o escolhido para dar a coletiva após o treino de hoje foi Dudu, o capitão do time. Ao lado dele, Alexandre Mattos, o diretor de futebol do Verdão fez veio a público esclarecer alguns pontos sobre as propostas que o atleta recebeu da China. De acordo com o dirigente, a oferta era “excepcional”, mas que o próprio jogador quis ficar no Verdão por “amor ao clube”. Dudu confirmou a proposta recebida, mas a recusou.

“Quando eu vim para o Palmeiras a gente não disputava Libertadores. Fico pelo clube, pelo amor que meus filhos têm e eu também. O carinho que recebo aqui é inexplicável. Estou muito feliz aqui e quero ficar bastante tempo. Renovar depende do Palmeiras. Eu agradeço muito a torcida, o Mattos, o presidente e o pessoal da Crefisa, que me ajudou para que eu permaneça aqui”.

No clube desde janeiro de 2015, Dudu foi um dos primeiros nomes da estrutura grandiosa que o ex-presidente Paulo Nobre conseguiu estabelecer. O jogador foi alvo de uma disputa entre São Paulo e Corinthians e acabou indo para o Palmeiras, em uma brincadeira das redes sociais que ficou conhecida entre os torcedores do clube como “chapéu nos adversários”. O capitão tem contrato até dezembro de 2020 com o clube de Palmeiras.

“Eu sabia que ia ganhar muito dinheiro lá, mas tenho bom salário aqui e estou satisfeito com o que ganho. Agradeci o pessoal da China, foi a quarta vez que tentaram me contratar. Era muito dinheiro, mas estou feliz aqui no Palmeiras”, ratificou o camisa 7.

Anúncios

Fala professor! A palavra de Roger Machado

roger-machado-palmeiras-18

O técnico Roger Machado gostou do que viu na vitória palmeirense por 1 a 0 contra um Botafogo-SP na tarde de ontem, em Ribeirão Preto. O gol foi marcado pelo colombiano Miguel Borja. O técnico comemorou a atuação do time e do centroavante.

“Para mim, é muito importante porque reforça o que tenho conversado com o Borja sobre a participação nos dois momentos do jogo. Quando jogadores do ataque participam ativamente do processo defensivo, invariavelmente eles são recompensados com chances de gols”, avaliou.

Entretanto, treinador sabe que ainda tem bastante correções a serem feitas. Embora com um bom início de jogo, o Alviverde durante a partida errou passes, cedeu do terreno ao adversário e quase saiu atrás no placar com os lances agudos de Lelê em cima de Marcos Rocha pelo setor defensivo direito do Verdão. O treinador corrigiu a movimentação da equipe na parada para hidratação, ainda na primeira etapa.

“Quando a gente teve as invertidas ou as bolas entraram, conseguimos avançar e chegar no terço final do campo. Principalmente depois da parada conseguimos corrigir esse movimento. Depois ficamos com o controle, que continuou no segundo tempo. Podendo no final, com uma formação diferente, ter encaixado uma bola a mais que definiria a partida em um placar maior”, disse.

Na segunda etapa, o Botafogo-SP, que estava num ritmo frenético imprimindo muita velocidade na primeira etapa, cansou e o Verdão foi cadenciando o jogo, diminuindo espaços do time da casa e finalizando mais. Prova disso, é que o Alviverde perdeu pelo menos três chances claras de ampliar o marcador.

“A gente tem que ter uma equipe equilibrada. O segundo tempo, no ponto de vista desse equilíbrio, foi muito forte. Sofremos menos porque controlamos melhor os espaços”, avaliou Roger, que ainda busca um melhor ajuste na marcação dos adversários quando não tem a bola.

Alviverde sofreu, mas venceu

Diante de um adversário bastante complicado, o Botafogo-SP e outro que marcava em cima, o forte calor de Ribeirão Preto, o Palmeiras conseguiu vencer a segunda partida em sequência no Paulistão 2018. Com os atletas ainda sentindo a questão física e a pré-temporada de apenas 15 dias de treinamentos, o técnico Roger Machado manteve a equipe que atuou diante do Santo André na estreia para buscar entrosamento.

Sendo assim, ele mandou a campo Jaílson, Marcos Rocha, Antônio Carlos, Thiago Martins e Victor Luis; Felipe Melo; Willian, Lucas Lima, Tchê Tchê e Dudu; Borja. Nos primeiros minutos de jogo, os jogadores trataram de fazer o que pediu o técnico. Foram 10 minutos com pelo menos três esquemas distintos e uma só palavra: movimentação. Iniciou no 4-1-4-1 para o 4-2-3-1 e variação para o 4-3-3.

Na primeira etapa, o Alviverde tinha o jogo controlado nos primeiros minutos e tentou propor o jogo atacando os donos da casa, que se defenderam bem e esperaram pelo contragolpe. O Verdão não conseguia dar sequência às jogadas com o trio da frente Borja, Willian e Dudu. Muitos passes errados do setor de meio campo e também do trio atrapalhando a criação de jogadas de Lucas Lima, apagado na partida, e Dudu.

O Botafogo-SP foi aos poucos tomando conta do terreno que os jogadores do Verdão cederam na defesa. Diego Tavares pela direita e Dodô pelo meio com muita liberdade levaram algum perigo à meta de Jaílson. Marcos Rocha foi quem mais sofreu na marcação, pois tinha às suas costas o velocista Lelê que era incisivo preparando as jogadas para o time da casa. Aos 28, em mais um vacilo do lateral-direito do Verdão, Lelê encontrou Bruno Moraes no centro da área e o centroavante errou o alvo.

Foi na parada técnica para hidratação que Roger Machado corrigiu o posicionamento dos atletas. Assim, o Alviverde passou a não dar tanto espaço para aos adversários. O resultado disso foi um respiro para a zaga e a volta ao ataque. Dudu chutou fraco. Borja ainda desengonçado não conseguia atacar. A melhor chance do Verdão foi com Willian, de fora da área aos 44. Ele chutou forte e obrigou Tiago Cardoso a uma boa defesa.

Na segunda etapa, o Palmeiras voltou melhor que o Botafogo-SP, que sentiu a questão física de toda a correria da primeira etapa, e conseguiu controlar melhor as ações do adversário. Aos 8 minutos, Willian fez marcação alta no ataque e conseguiu roubar a bola e cruzou. Borja marcou e saiu para o abraço. Foi o 11º gol do colombiano com a camisa verde branca em 45 jogos.

Com o Palmeiras à frente do marcador, o time de Ribeirão Preto não teve forças para ameaçar Jaílson. Com a entrada de Keno no lugar de Borja, o Verdão passou a utilizar a velocidade do camisa 11 com o contra-ataque e perdeu chances em série com Willian e Dudu, bastante cansado. Lucas Lima teve a chance de marcar de falta, mas parou no travessão. Thiago Santos e Bruno Henrique entraram nos lugares de Felipe Melo e deram mais equilíbrio à equipe Alviverde que conseguiu mais um bom resultado.

Palmeiras vence o Botafogo-SP em Ribeirão Preto

Atuando fora de casa pela primeira vez no ano, o Alviverde visitou o Botafogo-SP no estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto e sob forte calor e conseguiu a vitória pelo placar mínimo. O gol do jogo foi anotado por Miguel Borja aos 8 minutos da segunda etapa após cruzamento de Willian. Confira:

O triunfo deixa o Palmeiras na primeira posição do grupo C com seis pontos em dois jogos deixando para trás São Bento, Novorizontino com 4. Na próxima rodada, o Alviverde recebe o Red Bull Brasil, no Allianz Parque, às 21h.

Deyverson se machuca e para por 2 meses

deyverson-palmeiras-apresentacao

Além do lateral-esquerdo, Diogo Barbosa, que se machucou diante do Atibaia no jogo-treino antes de o Paulistão iniciar e deve ficar fora mais algum tempo, o Verdão sofreu mais uma baixa. O atacante Deyverson se machucou no treinamento da última sexta-feira, 19 e para por seis a oito semanas de acordo com o clube.

O atleta sofreu um entorse no tornozelo direito. Exames contataram uma fissura em um dos ossos do pé direito. Além de Diogo Barbosa e Deyverson, são ausências também o zagueiro Edu Dracena e meio-campista Moisés que continuam em pré-temporada. Todos esses serão ausências na equipe de Roger Machado que enfrenta o Botafogo-SP, logo mais em Ribeirão Preto, em jogo válido pela 2ª rodada do Paulistão.

Gustavo Scarpa é apresentado no Verdão

gustavo-scarpa-e-apresentado

O Palmeiras apresentou oficialmente ontem na Academia de Futebol seu sexto reforço para a temporada: Gustavo Scarpa. O atleta, de 24 anos, recebeu das mãos do presidente Mauricio Galiotte a camisa 14 e um livro com a história do clube de Alexandre Mattos, diretor de futebol. O jogador estava treinando sozinho enquanto aguardava o resultado do imbróglio com o Fluminense, seu ex-clube.

Scarpa entrou na Justiça pedindo a rescisão de contrato por não receber salários atrasados, direito de imagens, férias e 13º do clube carioca, seguiu um mandado de segurança e a liberação junto ao Flu. Outros clubes também estavam de olho na situação do jogador. Corinthians, São Paulo e Atlético/MG eram alternativas. A custo zero, o meia acertou a transferência para o Verdão até dezembro de 2022. Ele comemorou o acerto com o Alviverde.

“Sei que a responsabilidade vai ser grande e sei que estou preparado para enfrentar esses desafios que vão chegar a mim. Espero que eu consiga ser muito feliz”, disse o meia, que tem a certeza de crescimento no clube. E continuou a respeito do interesse do Verdão em seu futebol. “O Palmeiras se tornou prioridade há uns dois anos quando começou o interesse em mim. Espero que eu possa aprender e se eu tiver algo para ensinar, e que juntos a gente possa conquistar muitos títulos”.

Scarpa conheceu toda a estrutura da Academia de Futebol e mostrou-se impressionado. Para ele, a estrutura que o clube Alviverde oferece aos atletas é “surreal” e nenhum Centro de Treinamento se compara à Academia do Palmeiras. “Nunca tinha visto algo desse nível. Tudo que um jogador precisa para render o seu melhor tem aqui”, pontuou.

Quando questionado a respeito da concorrência que irá enfrentar no Palmeiras com tantos bons atletas brigando pelas vagas, Scarpa não entende que esse seja um empecilho para ter escolhido o Verdão como destino. “Concorrência te motiva a ser melhor a cada dia. Independente do status do jogador todos tem que mostrar”, finalizou a respeito de ser titular da equipe de Roger Machado.

Alviverde perde nos pênaltis e dá adeus à Copinha

Após sair atrás no placar pela Copa São Paulo de Futebol Júnior pelas quartas de final, o Palmeiras conseguiu o empate no tempo normal com a Portuguesa no Pacaembu. O gol do Verdão foi marcado por Yan, aos 30 da segunda etapa. Na decisão por pênaltis, a Lusa venceu por 3 a 2 e passou às semifinais da competição. Já Alviverde deu adeus a mais uma Copinha. O time de Palestra Itália ainda não tem esse título em sua história. Confira:

Fala professor! A palavra de Roger Machado

Rogermachado2

Estreia hoje no blog a sessão “Fala Professor”. Esse post tem por objetivo trazer sempre a palavra do técnico da Sociedade Esportiva Palmeiras após os jogos. No primeiro contato que teve com a imprensa após a estreia vitoriosa diante do Santo André pelo Paulistão por 3 a 1, Roger Machado falou por cerca de 20 minutos. Vamos aos comentários mais importantes. Então fala professor…

A respeito do jogo, o treinador considera que a equipe “conseguiu fazer pelo menos 70% do jogo atuando em alto nível”. E abordou o assunto. “um primeiro tempo excelente, onde depois dos quinze minutos tivemos um volume forte de jogo e onde saíram as principais jogadas”. Ele também ponderou a volta para o segundo tempo e o crescimento do Santo André que estava trabalhando há mais tempo na pré-temporada. “Na volta para o segundo eles tiveram um volume maior”.

O técnico explicou ainda que fez as substituições devido à questão dos atletas que estavam voltando de férias tentando sempre ter em campo um time equilibrado. “Nesse primeiro momento a gente tem na cabeça as substituições muito pela parte física, pelo início de ano”.

lucas_lima_5

Roger Machado também falou a respeito de Lucas Lima, o principal reforço do Alviverde para a temporada. O camisa 20 roubou a cena sendo bastante participativo e atuando bem. “O Lucas atuou muito bem. Se movimentou, roubou bolas, deu assistência e se movimentou. Deu ritmo no nosso meio-campo”.

Outro atleta que mereceu comentários do comandante após a partida foi Felipe Melo. Com entradas fortes, porém leais e qualidade no passe com lançamentos longos, o volante foi mais um destaque da meia cancha palmeirense. “O Felipe marcou bem, deu bons passes, fez boas invertidas e comando o meio-campo. Na minha opinião é o Felipe que sempre vi de longe”, completou.

Além de ambos, o colombiano Miguel Borja mostrou um outro ânimo nesse início de temporada. Roger Machado já o havia abordado pedindo mais participação, movimentação. A determinação foi cumprida há risca. Assim, o centroavante foi peça importante no triunfo de ontem. “Eu gostei de sua movimentação, da participação e dedicação”, disse.

Porém o treinador sabe que tem um ótimo finalizador nas mãos e quer aproveitar mais o potencial do artilheiro. “Temos que saber que temos um atacante de área, temos que criar para ele também. Temos que ter esse equilíbrio, o jogo centralizado e também municiar nosso atacante, para que ele tenha chances de gol”, ponderou.

Conforme citado anteriormente, Roger Machado entende que precisa ter um elenco equilibrado. “Tudo parte do equilíbrio entre as ações do jogo. Eu não consigo fazer um bom time com onze atacantes. O equilíbrio entre se defender e atacar bem faz parte de ter essa média de jogadores ofensivos que consigam carregar o time para frente, mas sem se descuidar da parte defensiva. As escolhas vão ser sempre pautadas nessas questões, o equilíbrio das forças”, pontuou.

Alviverde estreia com o pé direto no Paulista!

A torcida estava com saudade do time afinal o último jogo do Palmeiras em 2017 no Allianz Parque foi a vitória contra o Botafogo-RJ em 27 de novembro no encerramento da carreira de Zé Roberto. Por isso, a galera Alviverde levou mais de 31.600 pagantes para acompanhar a estreia de Roger Machado no comando do Alviverde e a versão 2018 do time verde e branco diante do Santo André na estreia do Paulistão e também conhecer algumas caras novas do elenco.

Como o próprio treinador ainda mantinha o mistério quanto à escalação do goleiro, Jaílson foi o escolhido deixando Prass e Weverton, que veio do Atlético-PR no banco. Sem Moisés, Edu Dracena, ainda em pré-temporada, Róger Machado mandou a campo Jailson, Marcos Rocha, Antônio Carlos, Thiago Martins e Victor Luis, Felipe Melo, Tchê Tchê, Willian, Lucas Lima e Dudu. Na frente, Borja. O esquema tático utilizado foi o 4-1-4-1.

Na primeira primeira parte do jogo, o Palmeiras ia se readaptando às partidas de futebol com toque de bola tentando encontrar brechas na defesa do Santo André. Sem pressa, os atletas trocaram passes pelo chão enquanto ainda “desenferrujando” das férias. Até por isso, o começo do time de Roger Machado foi em ritmo mais lento e atento na marcação. Participativo, Lucas Lima, que fazia sua estreia pelo Verdão, movimentou-se bastante dando opções aos companheiros.

Outro destaque da partida foi Felipe Melo. O camisa 30, que era preterido por Cuca, mostrou além de excesso de vontade em algumas divididas, a técnica apurada com vários lançamentos longos no pé dos companheiros. Uma belíssima partida. Ele não errou nada que tentou em termos de passe. Foi dele, o lançamento para o primeiro gol Alviverde da temporada. Aos 27, Melo lançou nos pés de Borja, outro que participou muito bem do jogo, pela esquerda e ele tocou para a área Dudu tentou de calcanhar. A bola foi na trave e Willian completou para o fundo das redes.

A vantagem deu tranquilidade ao Verdão, que ampliou aos 36. Em rápido ataque, Borja tentou a finalização e foi travado pela defesa do Santo André. Lucas Lima que acompanhava a jogada, pegou a sobra e de primeira fez um golaço sem chances para Neneca! Palmeiras 2 a 0. O time do ABC não conseguiu reação até o fim da primeira etapa que terminou com vantagem verde e branca.

Na segunda etapa, porém, o time treinado por Sérgio Soares, voltou com outra disposição e tratou de aproveitar o aspecto físico e maior tempo de preparação e pré-temporada. Assim, mostrou-se perigoso com Walterson e Joãozinho pela esquerda. Suéliton fez Jaílson trabalhar após cabeçada dentro da área. Aos 12, o Palmeiras respondeu em jogada de Lucas Lima, Victor Luiz cruzou e Willian quase fez de cabeça.

Um minuto depois, o Santo André diminuiu. Joãozinho passou por Antônio Carlos e Tchê Tchê e cruzou. João Lucas chutou forte para estufar as redes do Palmeiras. 2 a 1. Aos 19, o Verdão deu espaço e a bola chegou a Walterson, que finalizou dentro da área. Jaílson desviou e a bola acertou a trave. Na sobra, João Lucas chutou novamente no poste perdendo grande oportunidade de empatar o confronto.

Sentindo que havia perdido o meio de campo, o técnico Roger Machado lançou Bruno Henrique e Keno nos lugares de Tchê Tchê e Dudu com o esquema alterando para 4-2-3-1. O novo camisa 11 do Verdão foi bem incisivo preocupando a defesa do Santo André. Aos 37, ele mesmo definiu o placar. Primeiro chutou por cobertura e a bola, caprichosa, foi na trave. Na sequência do mesmo lance, Keno pela esquerda tocou para Lucas Lima e recebeu na frente, cortou Domingos e tocou na saída de Neneca. 3 a 1 e festa no Allianz e estreia com o pé direito!

Na estreia do Paulista, Verdão bate Santo André

Para mais de 31.600 pagantes no Allianz Parque, o Palmeiras de Roger Machado versão 2018 mostrou sua nova cara ao iniciar bem a temporada com vitória diante do Santo André por 3 a 1. Willian, Lucas Lima e Keno marcaram para o Verdão. Confira:

O resultado colocou o Alviverde na liderança do grupo C  do estadual ao lado do Novorizontino, com três pontos e dois gols de saldo. São Bento, também com três pontos e Ferroviária com apenas um, completam a classificação. No próximo domingo, os comandados de Roger Machado enfrentam o Botafogo-SP, às 17h, no estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto.