Definida data do sorteio da Libertadores

Tags

, , , ,

O Alviverde já sabe em qual dia conhecerá seu próximo adversário na Libertadores da América. A Conmebol vai sortear a fase oitavas de final dia 14 de junho e já deixará armados os confrontos entre as equipes até a final da competição. As partidas de ida estão inicialmente marcadas para os dias 4, 5 e 6 de julho. Os jogos de volta serão apenas em 8, 9 e 10 de agosto.

As 16 equipes classificadas às oitavas de final serão posicionadas em dois potes com os primeiros colocados dos grupos no pote 1 e o restante no pote 2. Não há qualquer restrição quanto a confrontos de equipes do mesmo país e nem times que já se enfrentaram anteriormente na fase de grupos.

Atlético-MG, Grêmio, Palmeiras, Santos e Botafogo ficarão no primeiro pote. O Atlético-PR é o único brasileiro que integrará o segundo pote e se não enfrentar nenhum brasileiro, terá River Plate, Lanús ou San Lorenzo como adversário. Confira como ficou o ranking das melhores equipes da Libertadores 2017 e como serão divididas:

POTE 1 (primeiros colocados)

Atlético-MG
Lanús-ARG
Grêmio
River Plate-ARG
Palmeiras
Santos
Botafogo
San Lorenzo-ARG

POTE 2 (segundos colocados)

Godoy Cruz-ARG
Guaraní-PAR
Emelec-EQU
Barcelona-EQU
Atlético-PR
The Strongest-BOL
Jorge Wilstermann-BOL
Nacional-URU

Uma noite para esquecer no Morumbi

Essa é mais uma noite para esquecer no Verdão. O time que perdeu para o São Paulo fora de casa entrou com três volantes Tchê Tchê, Jean e Felipe melo, que muitas vezes fez o terceiro zagueiro tentando impedir os avanços do São Paulo. O Alviverde errou passes e lançamentos, o que facilitou o trabalho do Tricolor do Morumbi, que atuou nas falhas do Palmeiras.

Na primeira etapa, a equipe de Cuca não teve uma postura boa para um clássico e procurou valorizar bastante a posse de bola tocando de lado, procurando jogadas com Guerra e aproximações com Dudu e Willian. A equipe muito morna e mostrou apatia em campo. Faltou profundidade e agressividade ao time. Mayke, Jean e Tchê Tchê não foram bem. Mais disputado na parte central do gramado, o jogo teve uma chance para cada lado, Jean finalizou para fora.

No segundo tempo, o São Paulo fez o gol aos 16 minutos com Lucas Pratto após lançamento de Marcinho nas costas da zaga. O camisa 14 finalizou cruzado entre Fernando Prass e a trave. O Verdão teve a chance de empatar oito minutos depois em um pênalti, Jean chutou para fora. Com isso, o Palmeiras baixou a confiança.

As alterações de Cuca não deram resultado esperado com Borja, Róger Guedes e Keno não foram bem. O Verdão ainda tomou o segundo em jogada de Pratto que lançou Luiz Araújo, O garoto finalizou em cima de Fernando Prass, que falhou. O Verdão acumulou a segunda derrota seguida na competição.

Verdão é derrotado no Morumbi

Tags

, , , ,

O Verdão não vencia o São Paulo no Morumbi desde 2002 e pelo jeito vai ficar sem saber o que é vitória por lá. O Alviverde visitou o São Paulo e saiu derrotado por 2 a 0. Os gols da partida foram marcados por Lucas Pratto e Luiz Araújo na segunda etapa.

Com isso, o time de Cuca caiu para a 12ª colocação até o momento na rodada que ainda não terminou. No próximo domingo, dia 4, o Palmeiras recebe o Atlético-MG no Allianz Parque. Já o São Paulo vai a Campinas enfrentar a Ponte Preta.

Classificação com ressalvas

Após a partida de ontem e da classificação, Cuca, que ainda não completou 20 dias à frente do Palmeiras desde sua volta e ainda está conhecendo melhor as características de cada atleta, definiu o confronto com o Atlético Tucumán-ARG vencida pelo Verdão de “frenético” e ele tem razão. O jogo foi muito intenso dos dois lados. Para o Palmeiras valia passar de fase em primeiro do grupo em caso de vitória e para os argentinos valia a classificação inédita em 105 anos de história em sua primeira Libertadores da América.

O Alviverde teve cerca de 25 minutos com intensidade como pede Cuca, em jogos no Allianz Parque. O Atlético Tucumán não viu a cor da bola nesse período. Foram toques rápidos, aproximações, triangulações com pressão alta para envolver e sufocar o adversário no começo. Deu certo e Róger Guedes encontrou o caminho pela direita. Por ali saiu o primeiro gol aos 15 com Mina, depois de uma jogada ensaiada com participações de Zé Roberto, Róger Guedes e Mina. Logo, após o camisa 23 perdeu a chance de ampliar.

O Tucumán jogava por uma bola e ameaçou em contragolpes por duas vezes. Barbona aproveitou a desatenção dos atletas palmeirenses e acertou a trave de Prass, que trabalhou de novo ao espalmar chute cruzado, mas Rodríguez, sozinho, desperdiçou a oportunidade de empatar. Um alerta de que o Verdão estava muito exposto em seu setor defensivo, que apresentou-se bastante inseguro com Edu Dracena e erros de passe e saídas equivocadas na transição. O único que se salvou foi Thiago Santos, substituindo Felipe Melo e foi perfeito nos desarmes (sendo pelo menos 7 na primeira etapa) para conter avanços argentinos.

Na segunda etapa, o Verdão voltou devagar, quase parando e perdeu o meio-campo. Assim, o Tucumán aproveitou, foi ao ataque e teve um gol anulado. Rodríguez contou com a instabilidade da zaga, a indecisão de Fernando Prass e empatou o jogo de cabeça com apenas 1,67cm. Percebendo o crescimento adversário, o técnico Cuca sacou Borja, apagado, e Róger Guedes para lançar Fabiano e Willian. Dessa maneira, Jean foi deslocado para o meio e formou um trio de volantes com Thiago Santos e Tchê Tchê, que deu sustentação ao setor e a equipe cresceu de novo.

Aos 23, Willian brigou pela bola, fintou o zagueiro e fuzilou o goleiro para marcar e dar a vantagem ao Verdão após após uma boa troca de passes, entre Fabiano na direita e Jean, pela esquerda. O jogo seguiu parelho e se encaminhava para o final quando aos 45 da segunda etapa, Zé Roberto escorou de três dedos e de primeira uma bola que recebeu de Tchê Tchê. Golaço do veterano de 42 anos para fechar a noite Alviverde. Para o restante da competição, vale a ressalva da atenção.

 

Verdão vence Tucumán e passa às oitavas da Libertadores

Com o apoio de mais de 37 mil pessoas no Allianz Parque, o Palmeiras derrotou o Atlético Tucumán-ARG por 3 a 1 pela última rodada da fase de grupos e se classificou às oitavas de final da Libertadores da América em primeiro lugar no grupo 5 com 13 pontos. Os gols do triunfo Alviverde foram marcados por Mina, Willian e Zé Roberto. Rodríguez descontou para os argentinos. Confira:

Agora o Verdão espera o sorteio da Conmebol em junho para conhecer seu adversário das oitavas de final e pela pontuação fará o segundo confronto em casa. Já no jogo de ida não poderá contar com apoio da torcida, que só retorna numa eventual final. O oponente deverá ser um dos segundos colocados dos outros sete grupos.

Falta blindagem da diretoria

O clima esquentou ontem na Academia de Futebol entre o preparador físico Omar Feitosa e Felipe Melo. Feitosa estava apitando o rachão e Felipe Melo não teria gostado das marcações e da contagem do placar da atividade. Ao fim da atividade, ambos discutiram em um tom mais forte sobre o assunto e até Cuca precisou intervir. Todos sabemos que o rachão é a forma do jogador de futebol de se soltar fazendo brincadeiras com os companheiros.

Essa não é a primeira vez que acontece um episódio público dessa natureza neste ano. Antes do jogo diante do Peñarol-URU, em São Paulo, Róger Guedes foi a vítima por não ter pagado a aposta e ficou irritado com os companheiros que o cercaram, o derrubaram e o amarraram em campo. Guedes não gostou nada da atitude de alguns atletas do grupo. Segundo Eduardo Baptista, o técnico na época, foi uma brincadeira.

Diante da Ponte Preta pelas semifinais do Paulistão, houve ainda um bate-boca entre Thiago Santos e o preparador físico Omar Feitosa. Ambos precisaram ser contidos na forte discussão em pleno jogo.

O que pode se observar a partir desses episódios é que o ambiente do Palmeiras se modificou com Maurício Galiotte na presidência. Ficou mais exposto para os jornalistas que cobrem o dia a dia da equipe que procuram por notícias para abastecer os veículos de comunicação. Quando Paulo Nobre era presidente, essas brigas não se tornavam públicas sendo tratadas internamente. Havia uma blindagem para que nada atrapalhasse o andamento do trabalho.

É de forma preocupante que observamos esse histórico de discussões em treinos em tão pouco tempo. Seria interessante alguma orientação aos atletas por parte do gerente de futebol, Cícero Souza, e do diretor Alexandre Mattos, para que não haja mais notícias assim, pois muitos aproveitam isso para conturbar um ambiente tranquilo.

 

Time alternativo vai mal em Chapecó

O técnico Cuca resolveu descansar boa parte do elenco que vinha jogando seguidamente já que na próxima quarta-feira, o Palmeiras encara o Atlético Tucumán-ARG pela Libertadores da América, em casa e deu a oportunidade para outros atletas que não vinham atuando com ele. Ao todo foram oito mudanças e apenas Fernando Prass, Tchê Tchê e Willian no chamado time alternativo do Palmeiras.

Até por isso, explica-se facilmente a derrota, pois foi um time desentrosado e mal tecnicamente. Raphael Veiga e Keno e Róger Guedes não foram bem na partida. O jogo foi bastante truncado na primeira etapa e sem muitas chances de gol. A Chape tomou a iniciativa do jogo com Apodi e Rossi pela direita e aos poucos criou chances com Girotto de cabeça.

Já o Verdão, que teve a estreia de Juninho na zaga ao lado de Antônio Carlos, não se encontrava na transição das jogadas com Raphael Veiga e Keno e também errou muitos passes, o que é compreensível para um time com oito modificações. Antônio Carlos salvou o Verdão duas vezes de carrinho e de cabeça deitado, após o cruzamento de Luiz Antônio e a finalização de Apodi.

Na segunda etapa, o Verdão voltou diferente e foi logo ao ataque finalizando ao gol com Willian. Porém a Chape se impôs com Rossí e Apodi achou o caminho aproveitando os espaços de Fabiano pela direita. Foi por ali também que Prass fez duas ótimas defesas. Na primeira, ele salvou a cabeçada de Arthur Cayke, que subiu livre. Na segunda, Rossi, livre, aproveitou o buraco no meio da zaga e tocou de cabeça, o camisa 1 mostrou estar em ótima fase.

 

 

Porém aos 27 não teve jeito. Na saída rápida pela direita, Neném achou Rossi nas costas de Michel Bastos, driblou Tchê Tchè e finalizou. Prass salvou na primeira, mas Luiz Antônio completou para o gol vazio. Após o gol, o Verdão foi ao ataque tentando o abafa no empate, mas não teve sucesso.

Chape impõe primeira derrota a Cuca

O Palmeiras visitou a Chapecoense e sofreu na noite de ontem o primeiro revés no Brasileirão 2017. Luiz Antônio fez o gol da vitória dos catarinenses aos 27 da segunda etapa, após rebote de Fernando Prass. Foi a primeira derrota do técnico Cuca à frente do Verdão em seu retorno ao clube. Confira:

O resultado manteve o Palmeiras com três pontos na competição. Já a Chapecoense foi a quatro com esse triunfo e o empate diante do Corinthians sábado passado. Na próxima rodada, o Alviverde encara o São Paulo, no Morumbi enquanto a Chape pega o Avaí no clássico catarinense, segunda-feira, dia 29.

Verdão apresenta Juninho e Mayke

juninho mayke

Uma apresentação dupla marcou a sexta-feira na Academia de Futebol além da preparação final para o confronto diante da Chapecoense, em Chapecó, pela segunda rodada do Brasileirão. As chegadas de Juninho, zagueiro, ex-Coritiba e Mayke, lateral-direito ex-Cruzeiro foram oficializadas pelo diretor de futebol, Alexandre Mattos.

Envolvido numa negociação com Rafael Marques, que foi para o Cruzeiro, Mayke vai vestir a camisa 12, eternizada por São Marcos e que passou por Gabriel Jesus na Libertadores do ano passado. Recentemente, o número pertencia ao atacante Borja que herdou a 9 deixada por Alecsandro.

“A camisa 12, no Palmeiras, é de muita responsabilidade. É a camisa que São Marcos usou, então vou dar meu máximo para representar bem o número dentro de campo – disse Mayke”.

Já o zagueiro Juninho vai substituir Vitor Hugo, que está de saída do Verdão rumo à Fiorentina-ITA. A camisa 4 será do novo reforço vindo do Coritiba e ele já foi regularizado podendo estrear diante da Chapecoense amanhã às 19h, na Arena Condá, em Chapecó. O defensor se mostrou muito satisfeito e citou o ídolo Alex, que fez o mesmo caminho quando era jovem chegando ao Palmeiras com apenas 20 anos.

“Alex (ex-meia) me ajudou bastante na transição da base do profissional, disse que era uma oportunidade de crescer. Ele é ídolo em todo lugar que passou, no Coritiba não foi diferença. Mantenho contato com ele, e a história que tem no Palmeiras não tem nem o que falar, é excepcional. Isso me dá tranquilidade porque ele passou aqui e sabe de tudo”, disse.

Quanto à recepção de Cuca, ambos falaram bem do novo comandante e se sentiram muito bem acolhidos. Juninho revelou que houve um telefonema do treinador Alviverde para sar da condições físicas do atleta. Já Mayke destacou o estilo “Paizão” do técnico.

“Ele me acolheu da melhor forma, tive contato com ele no campo, me deu boas vindas. Só fiz dos treinos com o grupo. É um cara que nos trata bem, conversa, pergunta se estamos bem. É um paizão para todos da equipe”, disse Mayke, que ficará no banco de reservas na Arena Condá. O titular na lateral direita será Fabiano.

Como a temporada é longa, a dupla entende que pode aproveitar as oportunidades que surgirem no decorrer nas competições para ajudar o Verdão na caminhada da temporada 2017.

“Quero sempre ajudar quando Cuca precisar, entrar dentro de campo e dar meu máximo para honrar a camisa do Palmeiras e ajudar toda a equipe. Certeza que vai sobrar uma “brechinha”, são muitos campeonatos, então todos terão oportunidade. E, quando a minha chegar, vou aproveitar”, completou Mayke.

Palmeiras renova com Edu Dracena

edu-dracena-nacional-palmeiras-libertadores-03172016_mwmxcjef3mq1t0vntvt33q84

O Verdão segue mantendo atletas do elenco para continuar forte nas competições que estão em andamento na temporada como Brasileirão, Copa do Brasil e a Libertadores. Nesta semana, o clube anunciou a renovação do zagueiro Edu Dracena, de 36 anos, até o dezembro de 2018. O antigo vínculo dele era até o fim deste ano.

Edu Dracena chegou ao Palmeiras no final de 2015 vindo do arquirrival Corinthians e ano passado compôs o banco de Mina e Vitor Hugo, a zaga titular do Verdão no título brasileiro. Em 2017, porém o defensor ganhou destaque pelo bom desempenho em jogos importantes e firmou-se como titular, algo que coincidiu com a má fase do camisa 4, que foi parar na reserva do time de Eduardo Baptista.

Com a saída de Vitor Hugo para a Fiorentina-ITA, o camisa 3 poderá se firmar ao lado de Mina como titular do time de Cuca. Porém, no segundo semestre ele deve ganhar concorrência com as chegadas de Luan, ex-Vasco e também de Juninho, ex-Coritiba, contratados para reposição da venda da dupla de zaga que venceu o Brasileirão de 2016.